Vale de Gilgit Paquistão

De Islamabad a viagem poderá prosseguir para o Vale de Gilgit, a cerca de 550 km a norte da capital paquistanesa. Se seguir por terra será uma longa jornada mas ao chegar ao vale compreenderá que a recompensa cobrirá todos os desconfortos e tempo dispendido.

Os Himalaias já não estão longe. Há uma clara atmosfera de montanha, as temperaturas são mais baixas. O vale de Gilgit será a porta de entrada no Paquistão do Norte e um local ideal para descansar um pouco e recarregar baterias existindo diversas opções de alojamento na cidade de Gilgit (200 mil habitantes), onde se encontra o aeroporto que serve a região. Note que o acesso à Internet em toda a região é bastante limitado e será melhor assumir que não conseguirá de todo ligar-se.

A Viagem

Existem dois voos matinais da Pakistan International Airlines, custando cerca de 90 Euros e demorando uma hora a vencer a distância. Se não quiser ou não puder gastar esta quantia, terá que se submeter a uma longa viagem de autocarro que poderá demorar algo entre 15 a 20 horas (1,600 a 2,300 PKR) seguida de uma pequena corrida de táxi até à povoação.

O que ver e fazer no Vale do Gilgit

Note que para explorar a região e os seus principais pontos de interesse necessitará de uma viatura própria. Poderá alugar um carro ou jipe em Gilgit ou contratar alguém na povoação para lhe mostrar os encantos que por ali existem. Ao planear, não se esqueça que no Paquistão se circula pela esquerda.

Ponte de Gilgit

À saída do bazar encontra-se a mais longa ponte suspensa da Ásia, uma ponte com um tabuleiro feito de ripas de madeira onde passam habitualmente viaturas e até camiões. Tem 182 metros de comprimento e 2 de largura, passando sobre o rio Gilgit que lá em baixo corre veloz.

Kargah Buddha

A 10 km de Gilgit encontramos uma fascinante gravura de Buda, talhada na rocha no século VII por monges residentes num mosteiro que ali existiu. Por perto existem também três stupas. O conjunto foi encontrado e identificado em 1939, depois de em 1931 terem sido encontrado referências num manuscrito.

O conjunto está localizado no início do desfiladeiro de Kargah, que por si só valeria uma visita ao local.

Monumento de Taj Mughal

Fica a 30 km de Gilgit e comemora a vitória do reformista ismaelita Taj-ud-Din Mughal, que veio do Badakhshan no século XIII. O monumento foi construído há cerca de 700 anos na face sul da montanha de Khomar. Se ficar no hotel Serena, uma opção popular para quem visita a região, é possível caminhar até ao monumento e explorar a natureza envolvente.

Fairy Meadows

Fairy Meadows ou, traduzindo, os Prados das Fadas, ficam a cerca de 100 km a sul de Gilgi. O curioso nome foi dado por trekkers alemães que se encantaram com o cenário aqui encontrado. Trata-se de um amplo prado, rodeado de floresta alpina, onde existe um lago e grandes vistas para as montanhas. É um excelente local para dar passeios pela natureza existindo algumas opções de alojamento adequadas para passar uma noite ou duas.

Encontra-se a uma altitude de 3.300 metros e ali se localiza uma base para os escaladores que pretendam subir ao topo do Nanga Prabat.

A área de Fairy Meadows tem desde 1995 estatuto de Parque Nacional.

Jutial Nala

Jutial Nala é apenas um exemplo entre as muitas opções de percursos de caminhada que existem em redor de Gilgit. É um vale de boca muito estreita, oferecendo um percurso não circular de seis quilómetros que se estende ao longo do desfiladeiro cercado de floresta alpina e, a espaços, de prados verdes.  O seu início localiza-se próximo do Hotel Serena, podendo caminhar até lá desde este estabelecimento hoteleiro.

Vale de Naltar

Este vale fica a cerca de 40 km de Gilgit podendo ser alcançado com uma viatura todo o terreno, uma viagem que demora cerca de duas horas. A paisagem é marcada pela vista para as montanhas envolventes, pelas florestas de pinheiros, abetos, zimbros e bétulas, e pelos três lagos de montanha que ali se encontram, os chamados lagos Bashkiri, posicionados a cerca de 3.100 metros de altitude. O visitante encontrará no vale o Santuário de Vida Animal de Naltar, criado em 1975, e ocupando uma área de 27 mil hectares.  Aqui, entre diversas outras espécies, habita o raro leopardo das neves.

Note que o vale, como de resto toda a região, deve ser visitado entre Abril e Outubro. Nos meses do Inverno é muito provável que se encontre inacessível.